Aguinaldo Silva explica como escreveu Tieta, sua novela abençoada

Em um vídeo postado no Youtube, no dia 16/05, para falar sobre a criação de Tieta,Aguinaldo Silva lembrou que a novela “abençoada” foi exibida na faixa das oito, e alertou: “Agora é das 9 e 15, e em breve será das dez”, ironizou. Dois dias depois, A Força do Querer, atual trama em cartaz, foi levada ao ar às 22h15.

Aguinaldo – que entre 1985 e 1990 escreveu quatro novelas [Roque Santeiro, O Outro, Vale Tudo e Tieta] – explicou que teve apenas dois meses para escrever a adaptação do livro de Jorge Amado para a TV: “Em janeiro de 89, eu tinha acabado de escrever Vale Tudo, e entrei de férias, só que as minhas férias não duraram muito, porque em maio em recebi um telefone do Daniel Filho, que me avisou: ‘Você vai escrever a próxima novela das 8’”. 

Como Barriga de Aluguel, de Gloria Perez, havia remanejada para a faixa das seis, Aguinaldo tinha que correr contra o tempo, uma vez que Tieta iria para ao ar em dois meses. “Naquela mesma noite, quando Daniel Filho falou comigo, eu fui até a livravria, comprei Tieta e comecei a ler. No dia seguinte, convidei Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares para trabalharem comigo, e um mês depois eu entreguei os primeiros 12 capítulos”.

“Tieta, quando estreou – no dia 14 de agosto de 1989 – a cidade cenográfica não estava ainda pronta. Então, as primeiras cenas foram gravadas em plano fechado porque não era possível mostrar o que não existia. De qualquer maneira, ela foi concluída a tempo. A novela emplacou, virou um sucesso enorme e foi o que vocês estão vendo agora nessa reprise. Uma novela revolucionária, que tratava de temas candentes. Uma novela libertária, moderníssima, mesmo para os dias de hoje”, analisa o dramaturgo.

Com Tieta, Aguinaldo Silva queria mostrar que Roque Santeiro tinha suas impressões digitais. “Tieta é irmã gêmea de Roque Santeiro. É evidente que ela saiu da mesma máquina de escrever. Portanto, elas são praticamente frutos do mesmo universo, que é o meu universo ficcional. Que isso fique bem claro”.

Tieta, de segunda a sábado, 15h30 no Canal Viva, com reapresentação às 0h30. 

A Força do Querer: Prisão de Rubinho dá início à transformação de Bibi

Nos próximos capítulos de A Força do Querer, Rubinho, personagem de Emílio Dantas, marcará uma reviravolta na trama. Após a prisão dele, acontecerá a transformação de Bibi(Juliana Paes), que irá se envolver com o tráfico.

Esse acontecimento será um “divisor” para a novela – assinada por Gloria Perez -, que vem alcançando ótimos índices de audiência. Na sexta-feira (19/05), mesmo indo ao ar por após às 22h50, cravou uma média de 33 pontos. Cada ponto equivale a 70,5 mil domicílios na Grande São Paulo.

Eliana é afastada de seu programa e substituta assume imediatamente

Não, não será Ana Furtado quem substituirá Eliana em seu programa dominical no SBT. Por motivos óbvios, aliás…

A loira, que está grávida, recebeu orientações médicas de repouso absoluto. Já a partir desta terça, quem assume a sua atração é Patricia Abravanel, conforme determinou Silvio Santos.

Confira a nota oficial do SBT sobre o caso: “A assessoria de comunicação informa que a apresentadora Eliana está em repouso absoluto por ordens médicas até o final de sua gravidez. Por este motivo, não irá gravar seu programa a partir desta terça-feira, 23 de maio. Patricia Abravanel irá substituí-la temporariamente”.

A loira, de 43 anos, está no segundo trimestre da gravidez e semanas atrás, em segredo, passou por uma cirurgia para não perder o bebê.

Juiz bloqueia R$ 2 bilhões em bens de Cachoeira e mais 11 por suspeita de fraude em marmitas para presos

O juiz Ricardo Prata ordenou, liminarmente, o bloqueio de bens de duas empresas e de dez acusados de fraudes na licitação para o fornecimento de refeições para presos do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. O valor total bloqueado é de R$ 2.118.264.607,20.

Segundo a denúncia do Ministério Público de Goiás (MP-GO), as irregularidades beneficiaram o contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Para serem realizadas, elas contaram, conforme a denúncia, com a “participação de vários agentes do Estado, que contribuíram, por ação e omissão”, com o esquema.

A decisão determinou o bloqueio de bens das empresas Coral Serviços de Refeições Industriais Ltda e Cial Comércio e Indústria de Alimentos Ltda, além dos réus: Edilson Divino de Brito, Ronald Christian Alves Bicca, Henrique Rogério da Paixão, Kleber Guedes Medrado, Rosana de Freitas Santos, Carlos Augusto de Almeida Ramos, Wladimir Garcêz Henrique, Edemundo Dias de Oliveira Filho, Antônio Carlos de Lima, Joaquim Cláudio Figueiredo Mesquita (veja valores bloqueados e os posicionamentos dos réus no fim do texto).

A sentença, protocolada no dia 17 de maio, visa a indisponibilidade dos bens dos réus no que se refere ao suposto dano material ao erário e à multa civil.

De acordo com a ação de improbidade administrativa proposta pela promotora de Justiça Fabiana Lemes Zamalloa do Prado, as fraudes foram constatadas por meio da análise de documentos e de interceptações telefônicas, autorizadas pela Justiça durante a Operação Monte Carlo, deflagrada pela Polícia Federal em 2012 com o objetivo de desarticular a organização criminosa comandada por Cachoeira.

Fraude

Segundo a denúncia, o fornecimento irregular começou após o incêndio da cozinha industrial do presídio, em 16 de julho de 2011. Na época, conforme o MP-GO, a Coral venceu “de forma fraudulenta” a seleção da contratação direta para o fornecimento de marmitas. Para a promotora, a contratação da empresa foi fraudada pelo então presidente da Agência Goiana do Sistema de Execução Penal (Agsep), Edilson de Brito.

Fabiana apurou que, na mesma disputa, estava a Cial, que visava beneficiar o grupo ligado a Cachoeira. Ela acredita que a aprovação da proposta da empresa estava sendo preparada pelo então gerente de Aprovisionamento Alimentar, Kleber Medrado, e pelo diretor de Gestão Planejamento e Finanças, Henrique da Paixão. Como a Cial perdeu a contratação, o contraventor “foi contrariado diante da artimanha empreendida por Edilson de Brito”.

Pesquisas mostram que consumo de pimenta, romã e pitaya pode aumentar longevidade

Pesquisas com frutas e temperos mostram que alguns alimentos podem trazer longevidade, como a pimenta, a romã e a pitaya. O nutrólogo Weder William de Melo explica que estudiosos estão se voltando cada vez mais para itens naturais em busca de propriedades que podem combater doenças e proporcionar uma vida mais longa.

“As grandes universidades do mundo estão de volta para o alimento, estão mais na cultura indígena. Hoje, o Cerrado é muito pesquisado fora do Brasil, na cultura simples da pessoa do campo. Ali tem mais chaves do que dentro da indústria química, fabricando componente químico. A volta dos trabalhos científicos é em cima do próprio alimento que já existe”, afirmou em entrevista ao Jornal do Campo.

Melo relata que trabalha estudando a romã, uma fruta que combate algumas doenças e ajuda a garantir uma vida mais longa para quem a consome. “Tem trabalhos científicos mostrando o aumento da longevidade e [a romã] vai atuar nessas doenças inflamatórias, principalmente relacionadas à reumatologia: artrite, artrose”, afirmou.