Sobe para 16 número de casos confirmados de H1N1 em Goiás

Secretaria Estadual de Saúde informou que Ministério negou pedido de antecipação das vacinas contra doença.

O número de casos confirmados de H1N1 passou de 11 para 16 nesta sexta-feira (16), em Goiás, conforme a Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO). O órgão também informou que o surto da doença em Trindade, na Região Metropolitana de Goiânia, está controlado. A pasta relatou que pediu ao Ministério da Saúde a antecipação da campanha de vacinação da doença, mas teve a solicitação negada.

“Solicitamos ao Ministério a antecipação para Goiás. No entanto, já recebemos uma resposta de que a campanha não será antecipada, nem para Goiás, nem para nenhum outro estado”, afirmou a gerente de vigilância epidemiológica Magna Maria de Carvalho.

Entre os casos confirmados da doença, seis são de Goiânia, dois de Aparecida de Goiânia, um em Anápolis e um em Caturaí, fechando 16 confirmações. O número já é mais que três vezes a quantidade de casos em todo o ano de 2017 no estado, quando três pessoas foram diagnosticadas com a doença. Apesar do números, a SES-GO garante que não há epidemia.

“Neste momento, o estado não vive uma epidemia. Podem aparecer novos casos, mas a equipe está atenta para que, caso apareça, todas as medidas sejam tomadas o mais rápido possível”, concluiu.

Prevenção

Por causa do ocorrido na Vila São Cottolengo, o promotor Haroldo Caetano encaminhou ofício nesta terça (13) à secretária de Saúde de Goiânia, Fátima Mrué, recomendando, “de forma emergencial e preventiva”, imunização dos idosos em abrigos. Prestadores de serviços das entidades também devem ser vacinados.

O prazo para resposta é de dez dias. Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde disse que avaliará a recomendação do promotor para encaminhar as respostas dentro do prazo solicitado. A pasta falou ainda que as vacinas contra H1N1 são encaminhadas pelo Ministério da Saúde.

Fonte: g1/globo