Mais de 196 mil trabalhadores de Goiás não sacaram o PIS/Pasep ano-base 2016

Último lote foi liberado para quem nasceu em maio e junho; valores podem ser retirados na Caixa ou Banco do Brasil. Segundo MTE, mais de R$ 140 milhões estão disponíveis no estado.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) liberou, na quinta-feira (15), o último lote de pagamento do abono salarial do PIS ano-base 2016, para quem nasceu em maio ou junho, e do Pasep para quem tem finais da inscrição 8 e 9. Em Goiás, mais de 196 mil trabalhadores não sacaram o benefício. Os valores a serem pagos no estado ultrapassam R$ 140 milhões.

Os valores podem ser sacados em agências da Caixa ou do Banco do Brasil até o dia 29 de junho. Os valores que não forem retirados até o prazo final voltam para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Nascidos em outros meses e que ainda não receberam o abono também podem sacar o dinheiro até este data. O pagamento para nascidos em março e abril começou em fevereiro.

Tem direito ao abono salarial quem recebeu, em média, até dois salários mínimos mensais com carteira assinada e exerceu atividade remunerada durante, pelo menos, 30 dias em 2016. É preciso ainda estar inscrito no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos e ter os dados atualizados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), ano-base 2016.

Para sacar o abono do PIS, o trabalhador que possu ir Cartão do Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir aos terminais de autoatendimento da Caixa ou a uma casa lotérica. Se não tiver o Cartão do Cidadão, pode receber o valor em qualquer agência da Caixa, mediante apresentação de documento de identificação.

A nível nacional, para o exercício 2017/2018 serão destinados R$ 16,9 bilhões para pagamento do abono salarial a 24,3 milhões de trabalhadores. Só dentro do PIS são R$ 15,7 bilhões para 22,1 milhões de beneficiários, segundo a Caixa Econômica Federal.

Valor

O valor do abono varia de R$ 80 a R$ 954, dependendo do tempo em que a pessoa trabalhou formalmente em 2016. Trabalhadores da iniciativa privada retiram o dinheiro na Caixa Econômica Federal, e os servidores públicos, no Banco do Brasil. É preciso apresentar um documento de identificação e o número do PIS/Pasep.

O valor do abono é associado ao número de meses trabalhados no exercício anterior. Portanto, quem trabalhou um mês no ano-base 2016 receberá 1/12 do salário mínimo. Quem trabalhou 2 meses receberá 2/12 e assim por diante. Só receberá o valor total quem trabalhou o ano-base 2016 completo.

Por exemplo, se o período trabalhado foi de 12 meses, vai receber o valor integral do benefício, que é de um salário mínimo (R$ 954). Se trabalhou por apenas um mês, vai receber o equivalente a 1/12 do salário (R$ 80), e assim sucessivamente.

Fonte: g1/globo